IMG_20160107_104012470O Pirarucu( Arapaima gigas) é um gigante amazônico. A origem do seu nome é indígena, Pira=peixe e Urucum=vermelho, devido a coloração de sua cauda. Devido a procura pela qualidade de sua carne, o Pirarucu chegou a beira da extinção, fazendo com que especialistas mobilizassem alguma alternativa, caso ainda quisessem vê-lo nos rios das regiões norte. Começou então um projeto sustentável para que essa espécie fosse criada em cativeiro, principalmente para comercializá-lo, deixando os peixes nativos para o povo ribeirinho, fazendo consequentemente que essa espécie viesse a ter uma maior proliferação em seu habitat natural.

Após uma breve teoria sobre essa espécie, vamos falar sobre a introdução dele em pesqueiros. Como é uma espécie que além de ser muito bonita é esportiva, chama atenção de alguns pesqueiros em ter o Pirarucu como peixe atrativo para o público, porém, pelo que acabei pesquisando ele vem sofrendo com anzóis em seu interior.

O Pirarucu é um peixe que não tem a dentição desenvolvida como grandes predadores, por isso, a sucção é sua principal arma, se aproximando de sua presa e a sugando, até aí na natureza, tudo bem, porém em pesqueiros isso o faz uIMG_20160107_104040103_HDRma vítima. Por quê?

Ele usa a sucção em iscas naturais, como salsicha, sardinhas, guelras de peixes e pedaços de peixes em geral, que são suas iscas preferidas em pesqueiros, isso faz com que o anzol normalmente fique fisgado em seu interior, o prejudicando futuramente, principalmente se o anzol tiver fisga, independente do tamanho. Isso faz com que o anzol oxide, mas o organismo do peixe não consiga expeli-lo devido a fisga.

A consequência da falta de conscientização por nós pescadores fazem com que a mortandade dessa espécie seja muito maior em pesqueiros. Eles estão lá para nosso lazer, se não fizermos nada para preservá-lo, fica difícil para a manutenção dessa espécie que dá um show a parte, permanecer viva.

Não citarei o pesqueiro, mas, fiquei sabendo na última semana, que uma espécie de 35 quilos acabou morrendo, e que quando aberta, tinha três anzóis em seu interior, ele sobreviveu enquanto dava, mas como os anzóis ficaram em seu estômago ele não estava mais se alimentando, o que acabou ocorrendo o óbito do peixe.

A dica é a mais simples possível, já que vai praticar a pesca esportiva, tire a fisga do anzol, independente do tamanho da fisga, sempre acaba atrapalhando na hora de tirá-la, e se o peixe embuchar, é só cortar a linha que em alguns dias o organismo vai expelir o objeto.

A preservação precisa estar no sangue de todo pescador esportivo, esse é o nosso principal esporte, pratique ele também, quanto mais peixe melhor.

Total 7 Votes
0

Tell us how can we improve this post?

+ = Verify Human or Spambot ?